Introdução O Autor Pergunte ao Professor Verbos Nossa Comunidade Bibliografias Contato
  Procurar no site:
  
  Página inicial
 Índice
  Acentuação gráfica
  Classe de Palavras
  Composição
  Concordância
  Conjunção
  Crase
  Estrutura do Vocábulo
  Figura de Estilo
  Fonética
  Formação da Palavra
  Frase
  Interjeição
  Interpretação
  Noções de Versificação
  Ortografia
  Pontuação
  Redação
  Regência
  Verbo
  Vicios da Linguagem
 Como Estudar Melhor
  Aprenda na sala de aula
  A arte de estudar
  Aprenda e ler melhor
  Faça Tranquilamente suas provas
 Comunidade
  Falando Português
 E-Book Download
  Modulos da Gramática da Lingua Portuguesa
  Comprar livro da gramática
 Pergunte ao Professor
de






Interpretação

Para se fazer uma interpretação é necessário termos um conhecimento de

LINGUAGEM – LÍNGUA – DIALETO – GÍRIA

Sabemos que a linguagem é um sistema de sinais de que o homem se serve para comunicar- se.

É um meio organizado que tem por finalidade a expressão de idéias e juízos.

Sua origem deve reencontrar as origens do homem: sendo ele um animal social, é também por natureza um animal que fala.

“Puede decirse el lenguage constituye algo esencial en el hombre, sin el cual no lo sería realmente.”

(Historia del linguage – Emílio Relaño – Salvat. Edit. 1958. página 8 – 10)

A natureza social do homem exige a linguagem. E o homem deve ter inventado antes mesmo do fogo e das outras mais primitivas invenções.

(Le linguage – Vendryes – Edit. Albisa Michel – Paris – 1950 – página 12 e passim)

A linguagem é “la manifestacion Del espiritu tenida por más digna de admiración a lo largo de los tiempos.”

(Historia de la lingüística – Guillermo Thonsen – Edit. Labor S.A. – 1945 – Página 11)

O homem é um animal comunicativo. Sua linguagem mais importante é a verbal, falada ou escrita. (verbum = palavra. Aqui o adjetivo verbal é usado com o seu sentido etimológico. Verbal se refere a palavra).

Só um sentido análogo é que se fala em linguagem de animais e de coisas.

A palavra humana não é apenas sons que ferem os ouvidos, letras que ferem os olhos, mas sinais a que se atribuem valores simbólicos que podem variar ao infinito, por convenção.

Bossuet – exprimiu argumente esta idéia:

“Lês animaux peuvent être touchés de la voux, en tant qu’elle signifie, par institution, ce qui s’appelle proprement parler et entendre.”

“C’est autre chose d’être frappé du son ou de la parole en tant qu’elle agite l’air et ensuite les orlilles et le cervean : autre chose de la regarder comme un signe dont les hommes sont convenns et rappeler en son esprit les choses qu’elle signifie. Ce dernier c’est ce qui s’appelle entendre le lenguage ; et il n’y en dans les animaux aucun vestige.”

( Vendryes – º C. – página 14 – note 2)

Atenção:

Os animais podem ser tocados pela voz, enquanto ela é ar impelido e agitado, não enquanto a voz significa, por convenção, o que se chama, propriamente, falar e entender.

“uma coisa é ser tocado pelo som ou pela palavra enquanto agita o ar e, em seguida, os ouvidos e o cérebro; outra coisa, olha- la como um sinal que os homens convencionaram e relembraram; na mente, as coisas que a palavra significam.”

Isto é o que se chama entender a linguagem e dela não há vestígio algum nos animais.

É evidente que da linguagem primitiva à moderna mediaram muitas peripécias e muitos mistérios.

A linguagem verbal se entranhou no homem de tal modo que embora teoricamente se possa pensar sem palavras, na realidade ninguém o faz. É o instrumento necessário das idéias, não só para exprimi- las, mas ainda para recebê- las.

Existem várias teorias da origem da linguagem. Sintetizando temos:

Para Max Müller o homem tem uma faculdade de expressão, um instante criado da linguagem, e nota nele.

Para Spencer a linguagem, com as outras capacidades do homem, nasceu da evolução do animal.

Já o Hovelacque faz a distinção entre “energueia” e “ergon” a faculdade é natural; o uso é que é artificial.

Há mais uma teoria e é a que defendo: o homem nasce com faculdades criadoras, todos os meios de viver em sociedade, de comunicar- se.

Paulatinamente, em elaboração lenta, vai adquirindo meios cada vez mais perfeitos. A linguagem é um instrumento, uma invenção da inteligência humana, inicialmente primária e depois complexa e perfeita.

O homem tem em si o poder criador de meios para realizar a sua natureza de “politikón zóon” (= animal social). Sem dúvida que a linguagem é um dos meios mais poderosos de convivência.

O problema da origem da linguagem não é moderno: veja Demócrito, grego, julga que a linguagem é ma criação arbitrária (Thesei), Platão, criação natural (Physei) segundo a solução de Crátilo, personagem do diálogo platônico.

Atenção:

Physei ou thesei = por natureza ou por convenção.

Há uma teoria que me parece excessivamente teológica:

Deus criou o homem e lhe infundiu a linguagem.

Teísta que sou, defendo outro caminho:

Deus criou o homem, deu- lhe os meios, os instrumentos, as faculdades para realizar- se. E o homem criou a linguagem.




Tópicos relacionados:
Dialetos e Gíria
Dicas de interpretação
Função da linguagem
Função fática, metalingüística e poética
Função referencial, emotiva e conativa
Interpretação de textos dicas
Origem da língua
Perigo - cuidado




6488310 visitas ao site desde março de 2005.
Desenvolvido por Brasuca Websolution